Pesquisar este blog

MOVIMENTO IMPARCIALISTA

MOVIMENTO IMPARCIALISTA
IMPARCIALISMO

sábado, 5 de junho de 2010

J.Nunez criador da literatura imparcialista

J.Nuñez - José Nunes Pereira

Poeta formado em letras, escreve em vários sites, possui algumas poesia publicadas em livros, participou de alguns eventos culturais na cidade de Marilia onde reside e trabalha como professor, poeta e editor do Blog Cidade de Marília.
Na literatura, atualmente se dedica a escrever uma poesia que faça a leitura do homem contemporâneo, essa poesia é chamada de O Imparcialismo: Poesia Para o Novo Contexto.
Entre muitas características ressalto que O Imparcialismo é escrito por dezesseis poetas ou dezesseis  pseudônimos; para que assim torne possível criar um Movimento Literário e a diferenciação de suas mais variadas tendências e estilo literário, outras características marcantes nessas literatura é a Métrica Imparcialista, os temas, o vocabulário atualizado, o engajamento na construção da literatura que faça a leitura do homem moderno e o seu Cronopoema, que é o fazer literário tendo como base os acontecimentos do dia, a estética desse estilo é formada de poema, prosa, conto, crônica e jornalismo.
O imparcialismo não faz críticas, e sim relatos, leituras da realidade e constatações imparciais dessa realidade; esse conceito de imparcialidade é apropriado a nossa Era da Informação.O Imparcialismo é a literatura para esse tempo de globalização, multiculturalismo, democratização do conhecimento, acesso a notícia , mudanças climáticas, Era da Informação, emancipação da mulher, formação de uma geração com muito conhecimento tecnológico e pouco alma e pouco coração, mudanças econômicas, degeneração e regeneração do homem contemporâneo, tempo de preocupações individuais e coletiva etc.
Podemos notar na literatura imparcialista conceitos de possibilismo social, bucolismo urbano, novos patrões na psicologia do homem moderno, novo comportamento social da mulher emancipada, novos conflitos íntimos que brotam nesse homem novo em que o homem velho e tradicional persiste como uma necessidades auto-afirmação.
Para ser leitor desses poetas é necessário apenas buscar na internet o nome do autor de O Imparcialismo: J.Nunez poeta, poesia imparcialista, o imparcialismo, poesia para o novo contexto ou ainda os imparcialistas.
Agora que o Movimento Imparcialista está estruturado J.Nunez convida a todos os poetas dessa aldeia global para a criação do Movimento Literário o Imparcialismo Livre. Se faz necessário a criação dessa nova possibilidade na literátura, isso porque o movimento Literário o Imparcialismo é fechado em si mesmo.

J.Nunez

J.Núñez

Poeta graduado en las letras, escribe en varios sitios en la Internet, tiene algunos poemas publicados en libros, participó en algunos eventos culturales en la ciudad de Marília – SP Brasil, donde vive y trabaja en una industria metalúrgica.
En la literatura, actualmente ocupada en escribir una literatura que hace la lectura del hombre contemporáneo, esta poesía es llamada El Imparcialismo: Lieratura para el nuevo contexto.
Entre las muchas caracteristicas del imparcialismo, destaco que son escritos por trece poetas o trece seudónimos, de modo que hace posible la creación de un movimiento literario y la diferenciación de sus diversas tendencias y el estilo literario, otras características notables de la literatura es la métrica imparcialista, de las temas, la el vocabulario actualizado, la participación en el desarrollo de la literatura que hace que la lectura del hombre moderno y su Cronopoema, que es o hacer literario que tiene como base de los acontecimientos del día, la estética de este estilo consiste en un poema, prosa, cuentos, periodismo y crónica.
El imparcialismo no hace crítica, y sin relatos, las lecturas de la realidad y las conclusiones imparciales de la realidad, este concepto de equidad es adecuada a nuestra época de la information.
El imparcialismo es la literatura para esta época de globalización, el multiculturalismo, la democratización del conocimiento, el acceso a noticia, el aquecimiento climático, la era de la información, emancipación de las mujeres, la formación de una generación con mucho conocimiento técnologico y poco de corazón y el alma, las crisis económicas, la degeneración y regeneración del hombre moderno, el tiempo de las preocupaciones individuales y colectivas.
Podemos observar en la literatura imparcialista conceptos de posibilismo social, bucólica urbano, los nuevos patrones en la psicología del hombre moderno, nuevas conductas sociales de la mujer emancipada, los nuevos conflictos internos que surgen en este nuevo hombre cuando el viejo hombre y tradicional sigue siendo una necesita de autoafirmación.
Para ser lector de estos poetas, sólo es necesario conectarse a Internet con el nombre del autor de El poeta J. Núñez el imparcialismo, la poesía, la imparcialidad, la equidad, la poesía para el nuevo contexto y los imparcialistas.

J. Núñez

A vida é feita de amor e amizade.

O Patriarca

Não tenho rompantes de amor,
Meu amor é lento e forte feito boi de carro,
Não tenho amizades repentinas e volúveis,
Sou fiel como um guerreiros samurai.
Não me peça para ter ilusões ou sonhos,
Sou linear feito a flecha apontada para o alvo,
Sou linear feito a flecha,
E não importa se o meu caminho para o alvo seja curvo.
Minhas palavras não vão por ai ao sabor do vento,
Minhas palavras são pesadas, medidas e avaliadas.
Minhas palavras não são tagarelices tolas,
Minhas palavras têm o poder de matar e fazer viver.
Meu amor não é feito em uma noite de ilusões
Meu amor é sólido, certo e patriarcal.
Não sou daqueles companheiros de estrada
Que sente medo e retorna no caminho,
Meu código de amizade é muito simples:
Ou você está comigo ou não está comigo,
Se vier comigo é para o que der e vier.
Não tenho malabarismo na palavra
E nem a flexibilidade do homem de negócio
Eu sou de princípios e de verdades intocáveis.
Eu posso até perdoar uma infidelidade,
Mas eu sei que depois de uma traição
o amor e a amizade são rosas sem pétalas.

Saturnino Queiros
J.Nunez

Os Guerreiros Choram Sangue


Seque o seu pranto,
Cale seus lamentos.
Abra bem os olhos
E olhe ao seu redor,
Agora pise a vida
Feito um boi pesado
Que pisa flores pelo caminho.
Pise na paisagem
Como se fosse o chão da estrada
Não avalie o peso da cruz
Abrace-a e carregue
Sem prantos e sem lamentos de voz
Não deixe sua lágrima cair,
Se acaso cair, que seja de sangue
Que seu único sentimento
Seja à vontade
Que seu único propósito
Seja salvar sua alma
Não segue sua lágrimas
Segue as lágrimas de seu irmão
Seque o seu pranto
Os guerreiros choram sangue.

Saturnino Queirós
J.Nunez


Touro

O touro na arena
Persiste no ataque
Até que o sangue de seu corpo esgote,
Até que sua força descomunal se acabe.
O touro na arena não se entrega a morte.
O matador na arena joga com a sorte,
Porque hoje é o dia do touro.
Não facilite porque certamente
Não sou o tempo todo
Touro Ferdinando que cheira flores,
Tem sempre uma abelha para me enfurecer.
Sou do exercito do Rei Leônidas
Portanto meu esforço é incalculável.
Não sou o boi castrado,
Não sou o touro imolado,
Sou criação de Vulcano
deus do fogo e da forja,
Tão feio quanto a realidade do ser humano.
Não morria sem antes lutar até exaustão,
Porém, me entregaria de alma e coração,
Para reservar um mistério ou um segredo.
Sou essencialmente touro,
Vencedor quando vencido.

Saturnino Queiros
J.Nunez

Poema para Gente Suja.

Sejam hipócritas, sejam falsos porque essa é a lei da sobrevivência.
Eu amo os homens de bem, os homens de religião, eu amo, sobretudo
As religiões, elas põem ordem no mundo,
Elas dizem o que os homens devem fazer e eles fazem,
E assim torna possível a vida,
E relativamente organizada.
Não poderia ter muitos de mim por ai,
Eu não posso ser uma unanimidade e nem a maioria,
O mundo ficaria insuportável...
Eu amo os homens de bem, eu amo ainda mais as sua virtudes ensaiadas,
De todas as sua virtudes a melhor delas é a hipocrisia,
Sim a hipocrisia, hora,
O que seria do mundo se não fosse os homens hipócritas,
São eles que conservam as coisas em seu devido lugar.
Se não fosse a hipocrisia o puteiro vinha parar a porta de homens de bem,
Homens que conserva a ética, a moral, os bons costumes,
As virtudes cristas, a família tradicional...
O que você pensa e sente é seu mundo interior,
Insondável aos olhos de outros homens de bem,
A mim você não engana, eu sei dos seus pensamentos mais íntimos,
Eu sei dos seus sonhos molhados,
Eu seu que sua boca diz uma coisa e seu coração sente outra...
Eu sei quando seu olhar foge
E não é mais de um homens de bem.
Você não é insondável para os pervertidos,
Eles olham e vê o que você é ai por de trás
De sua armadura transparente, você fica nu diante de meus olhos e não sabe.
Certamente o mundo não precisa de muito igual a mim...
Eu simpatizo com os perdidos,
Eu não digo que os amo porque a hipocrisia, o puritanismo
E a moral não me permite dizer, porém confesso, eles me atraem
Talvez porque eles dizem mais de mim
Que o reverendo da igreja lá da cidade velha.
Eu confesso eu os amo também,
Eu os amo porque eles são claramente visíveis como são,
Eu os amo porque podem me surpreender
Com virtudes mais nobres e com espíritos mais elevados
Que o espírito de velhos monges penitentes.
Os perdidos são o oposto dos homens de bem,
Porque eles têm toda a sua sujeira a flor da pele, na superfície da alma,
Agora, os homens de bem tem sua sujeira asentada do fundo de si mesmo,
Feito água pobre.. eles são água podre...
O mundo precisa de homem igual a eles,
Nós nossos loucos, suicidas e autodestrutíveis.

-----------------

Há muitas formas de mentiras, porém a mentira
Clássica acontece entre os sexos.
Os homens mentem sabendo que mentem,
As mulheres sabem que são mentiras,
Mas preferem acreditar, e assim todo mundo ganha;
Os homens e mulheres atingem seus objetivos.
As mulheres fazem que acreditam porque elas
Precisam mais de ilusões que os homens,
Por isso elas se pintam, contudo o poder das mulheres
É muito mais real que o poder dos homens,
Isso porque o poder da mulher está mais em seu corpo
E em sua condição de ser mulher com todos atributos,
Enquanto que o poder do homem
Está em boa porcentagem em sua condição social,
E um pouco no que ele é como pessoa.
Não importa o sexo, ambos são demasiadamente idealista no amor,
Ambos possuem um ideal de homem e um ideal de mulher,
Esse ideal está sujeito a condição social
E cultural e a idade em ambos os sexos.
Os menos inocentes, os que não são virgens na alma
Sabem que o ideal é apenas uma idéia sobre qualquer coisa
E a idéia na vida pratica não se conclui como o ideal,
Porque na vida pratica há muitas outras leis
Alem de nosso egoísmo e caprichos interiores.
Certamente as mulheres, se não odiarem os meus poemas para gente suja,
Elas ao menos não gostaram, e acho natural que seja assim,
Afinal esses poemas desbotam a vida, destruí a ilusão
Só para deixar um descampado que me leva rumo a mim mesmo.
O fato de a mulher possuir o seu poder real e corpóreo
As torna um pouco mais ressabiadas com as verdades.
Se o poder do homem está fora de si mesmo,
O homem tem a opção de tornar se poderoso no autodomínio
E na emancipação de sua alma
E isso inclui o que parece impossível,
Suportar a sedução dos corpos femininos.
A verdade é que os homens que são estimulados visualmente,
Estão sendo esganados pelas mentiras
Que elas contam com seus corpos, que são o seu o próprio ideal de corpo,
Quando saem em revistas que os homem compram para se (interterem)
E se auto enganarem porque sabem que os corpos depois que se inventou
Os recursos para configurar imagens às mulheres são as mesmas
Que são em realidade, elas atingiram o seu ideal de auto imagem.
Onde esta o direito do consumidor para esses homens enganados pelo fotoshop.
A nudez é obra de arte, a sua nudez seria obra de arte,
A minha estou certo seria uma aberração,
Estão será que não existe nu artísticos e são apenas corpos lindos e outros atributos.
O carnaval é cultura, se é cultura essa cultura está sujeita aos corpos das mulheres,
Se é o maior espetáculo da terra ele é feito com corpos de mulheres.
Qual homem escuta uma historia cantada
Enquanto mulatas, morenas, loiras e até asiáticas requebrar.
(Poderia falar mais; não vou me empolgar)
O que eu sei é que o carnaval é edificante, deixa bem ereto,
Mas depois inevitavelmente amolece.
Esse poder que a mulher tem em si mesma é dado pelo homen
Que fica entorpecidos com a nudez e a delicadeza em seus corpos,
Do mesmo modo o poder do homem é dado pela mulher
Que admira é deseja homens capazes que dar lhes tudo que merecem,
Afinal, elas são o maior e mais desejado tesouro que a terra possui,
No fim das contas às conquistas dos homens se resume nas mulheres ou na mulher.
Não vou esquecer das mulheres poderosas não só pelo fato de ser mulheres,
Mas também pelo fato de serem socialmente bem sucedidas,
Essas mulheres podem até comprar o sexo
E disserem que são felizes iguais aos homens que comprar o sexo,
Mas a verdade é que mesmo nos homens essa condição de liberdade
Se prolongada até a velhice, deixará neles uma frustração por muitos motivos.
Será que nas mulheres poderosas socialmente e livre sexualmente
Essa sensação de frustração não é rápida que nos homens,
Afinal elas são pressas a sua própria condição de ser mulheres.
Posso considerar que essas mulheres poderosas socialmente
E que gozam as mesmas liberdades do homem
Sejam parte da estruturação de uma nova sociedades
E de um novo formado de família, porém não posso desconsiderar
O que estou vendo; que são homens é mulheres desencontrados em si mesmos
E um para com o outro.
É claro que no passado à relação entre os sexos não foi exemplar,
O que se constada é que essa relação piorou muito,
Um exemplo disso são as reportagens que quase todo dia
Fala de um homem que matou sua mulher ou ex mulher
Porque não suportou a separação,
Será que os homens não suportam a separação,
Ou não suportam o fato de as mulheres terem se tornado
Emancipadas e poderosas socialmente
E precisam muito pouco de seu poder real
Que é o poder de seu corpo e de sua delicadeza que entorpece todos os homens.
O homem se torna desmotivado
Quando o seu maior estimulo para ir a luta que, é o sexo
Se tornou algo que as mulher compram ou se dão ao luxo de dispensar
Ou praticar quando bem intentem, e a sua maneira.
Nos que somos entorpecidos pelo sexo
Ficamos aqui parados olhando a liberdade que a mulher se dá,
Liberdade essa que nos desestimula
Porque para nos homens não há nesse sexo
O valor da conquista e da guerra.
Nós estamos entorpecidos se sexo fácil...
Esse que erra nossa razão de viver, lutar e vencer.
Não sei e estou certo no que digo,
O que sei é que quando eu falo de desilusões
Abro um descampado rumo a mim mesmo
E esse é meu único propósito.

Salomão Alcantra
J.Nunez

Uma Geração sem a Escola da Vida

A geração sem causa, sem rumo, sem idéais,
Sem perpectiva, a geração formada para consumir,
A geração do conhecimento subjetivo, do conhecimento e das práticas
Que são interessantissima... apenas a indústria
De jogos, de moda, de constumes superficiais,
Cultura de consumo, livro, música e cinema comercial,
A geração que não participa da sociedade,
A geração excluidas de suas reponsabilidade
Para com o futuro de nosso país,
Excluida pela educação e justiça que os protege
Tanto que os tornam individuos inrresponsáveis
Pela sua própria vida, pela sua própria contuda,
Essa é a geração dos individuos em formação,
Essa geração deveria ser considerada em formação
Também quando tratarmos de suas relações sexuais,
E de seus comportamentos sociais,
Essa é a geração em que o comportamento sexual, social
E o acesso a todo tipo de liberdades
Que antes só era permitido a indivuduos
Independentes finenceiramente, maduros socialmente
E individualmente, homens é mulheres com experiências de vida,
Com muitas decepções e fracasos sociais e amorosos,
Com toda a maturidade anímica, sexual e psicologica,
Com toda a bagagem que a vida pode dar,
Com todas as desilusões; individuos assim é que tinham acesso
As liberdades e libertinagens proporcionadas pela maturidade
Experiência , emancipação social e financeira.
Essa é a geração em que adolescêntes realizam
Verdadeiras orgias romanas muitas vezes com o dinheiro do papai.
Se essa é a geração dos que estão em formação,
Concordo, porém deveriam estar em formação
Quando se trata de comportamentos social e acesso as liberdades
Que são próprias a homens e mulheres maduras
Que carregam todo o peso da vida real sobre seus ombros.
Não podemos esperar nada de uma geração que
Já provaram da liberdade, da libertinagem e do sexo
Até a sua saciedade...
Essa é a geração dos que a vida não terá sentido,
Como pode ter sentido uma vida que é vivida
Apenas exteriormente, um vida em que não há processos
Íntimos no individuos que deve: amar muito,
Sofrer mais ainda, depcional, sonhar com noites deslumbrantes
Com amores impossiveis, com conquistas fabulosas,
Com muita luta, muita lágrima de alegria e dor,
Idéais, utopias, rebeldias contra o governo, contra a igreja,
Contra a sociedade, contra a injustiça social,
Contra o que está estabelecido etc
O processo íntimo é miuto mais lento que a vida social,
E essa é a geração em que a vida anda em descompasso
Com a aprendizagem do coração e da alma.
De quem é a culpa! dessa sociedade que protege tanto seus adolecentes
E os entope com cultura de consumo e sexo fácil
Que rouba deles o direito de pensar e participar,
O direito a vida interior associada com a vida exterior;
E para tanto a vida deveria ser muito mais lenta...
Para que hajá assimilação das aprendizagens da escola da vida.
Essa geração escontrou uma causa para lutar:
Liberação da maconha, são tão incapazes de pensar
E sua visão da vida são tão planas que não percebe que se liberarmos
A maconha eles matariam seus pais quando esses negarem
Sustentar seus vicios que inevitavelmente os consumiria
E traria o caos social que tornaria a sociedade inteira uma cracolândia.
Diga para essa geração que a hipocricia é um bem humano
Que deve ser mantido, essa é a geração que não sabe nada de hipocrisias...
E isso de maneira nem uma é um elogio.
Não podemos esperar que essa geração respeito seus avós
Se roubamos delas o dereito a experiência de vida, o coração e a alma
E damos a essa geração a máquina e o consumo...

J.Nunez
10-03-2010

Simpatia: Como laçar um homem difícil

Certamente esse homem não sou eu,
Porque eu sou fácil, fácil...
Sou fruto da conquista de poder, da emancipação da mulher
E de suas permissões sexuais sem conquistas.
Mas se acaso você encontrar esse homem
Aqui vai um feitiço para que você prenda esse homem difícil
Porque certamente esse homem está em extinção.
Ingredientes:
1 caneta
1 pedaço de papel cor-de-rosa
1 calcinha que seja ou um sutiã que seja seu
1 vaso com flores de sua preferência.
(Gosto de flores de Amarílis)
Escreva o nome desse homem “difícil”
No papel cor-de-rosa e dobre em 4 partes.
Use esse papel preço na sua calcinha,
Ou em seu sutiã durante um dia inteiro.
Depois enterre o papel no vaso de flores.
Agora, se você pertence à sociedade do prazer,
Essa sociedade que leva o prazer
Acima dos conceitos de certo e errado,
Essa sociedade que não sabe aceitar a vida e nem a morte,
Estão não se de tanto trabalho, estou aqui!
Sou do sexo fácil e degenerado...
Na sociedade do prazer não existe homem difícil,
Somos muito fácil, fácil e entorpecidos pelo sexo fácil.

Abílio Santana
J.Nunez


Virilidade masculina...


De fora da pista de dança, lá da porta
Perto da saída de emergência
Ela tem uma vista panorâmica.
Feito caçadora, ela procura com os olhos e me vê presa fácil,
Que não resistirá suas garras de caçadora da noite.
Ela me avalia com seu olhar infravermelho
E sabe que eu cumpro todos os requisitos
Para uma única noite de prazer.
Ela sabe que sou frouxo e fácil...
E que não quero mais que um dos seus olhares,
Não sou o inconveniente que fica perguntando:
_ “você me ama ?”
Se acaso eu pedir será apenas uma safadeza
De fetiche de amor clássico.
Tudo consumado, ela veste sua roupa sem saber meu nome...
Ela se diz razoavelmente satisfeita...
E seu nome esqueci de perguntar.
Ela se diz razoavelmente satisfeita.
Ela não saber do meu segredo de virilidade hoje.
Tomo diariamente e nas horas pares e por sete dias seguidos,
Um copo de limonada adoçada com mel.
Quando quero dinamizar os resultados,
Como num prato branco com uma colher de pau
Nas horas ímpares, uma colher de abacate amassado com limão.
E para garantir o sucesso da noite
Tomo um copo do afrodisíaco Chora Menina,
Esse é segredo de meu tataravô.
Ela veste sua roupas enquanto diz você é mais cheiroso
Que uma moça, e conclui_ ainda bem que sou bissexual...
Sou cheiroso com uma moça e faço as axilas e as sobrancelhas...
Afinal sou homem moderno:
Metrossexual e estou pensando em colocar silicone no bumbum...

Abílio Santana
J.Nunez

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Traição Virtual

Daquela suspeita que tenho e falta coragem para assumi-la
É que nascem esses vícios de cigarros, álcool, sexo solitário
E outras coisas assim degradantes e entorpecentes...
Ali da solidão de amigos, da solidão de amor
E dos sonhos não concretizados é que nasce essa baixa estima.
Os vícios estão conosco quando estamos sós,
Eles nos acompanham na solidão,
Interagimos com eles, afinal eles são tudo que temos,
O saciamos e continuamos insaciáveis,
Até que eles voltam outras vezes para nos acompanhar,
Depois os saciaremos e continuaremos insaciáveis...
Fica aquele sentimento de que não estamos no domínio,
Estão prometemos para eles e para nos moemos que é a última vez.
A última vez é semelhante ao amanhã que sempre haverá.
Os vícios nos dão o prazer que surgi da imaginação,
Da sensação física e solitária e do pensamento
É como se nós supríssemos de nós mesmos.
Contudo nos falta o outro:
Sua pele, sua carne, sua textura, seu olhar, seu tato,
Seu beijo, sua língua, sua voz, a pele quente e o sorriso doce...
Falta tudo...
Tudo que sinto agora é frio e medo da noite que não chega.
Murilo Santiago
J.Nunez
O IMPARCIALISMO

Murilo Santiago poeta da revelação do que está oculto em nosso interior, poeta que arranca à força nossos pensamentos e sentimentos mais secretos, poeta que não se interessa pelo que você demonstra ser, e sim pelo que você esconde, poeta que se interessa pelo que você é no mundo dos sonhos e em seu mundo particular, poeta das profundezas mentais, poeta que revela o que é mais repugnante em nós, poetas sem sutilezas e delicadezas interior, poeta dos conflitos íntimos e das coisas não reveladas. Os poetas imparcialista buscam a literatura para o novo contexto, e certamente a traição virtual e sua consequancias não poderia ficar de fora. Observe que a poesia imparcialista trabalha com o campo semântico e lexical e a temática atualizada. Ainda seus poetas, como é o caso de Murilo Santiago, possui caracteristicas singulares.

Entre as ilusões da Sociedade Moderna

Entre as ilusões da sociedade moderna está a crença de que a internet aproximou as pessoas, quando na verdade ela distanciou até mesmo os que residem sobre o mesmo teto, não pretendo ser hipócrita, negando os inúmeros pontos positivos que a internet possui. É verdade que o próprio Imparcialismo existe em função da era da informação, e só se tronou uma realidade por causa dessa mídia. Contudo sendo o Imparcialismo a leitura da sociedade moderna, tenho que dizer o quando a internet nos distanciou. O que ocorre é o fato de confundirmos a capacidade que essa mídia possui de nos levar a uma viagem (cosmopolitismo virtual) por muitas áreas do conhecimento, pelas culturas, pelos acontecimentos, pelos idiomas do mundo, pelos lugares do mundo e essa capacidade de aproximar (virtualmente) as pessoas dos lugares mais distantes da terra.
Estar próximo realmente das pessoas é ter com elas anos de convivência física e de alma, é ser tão íntima dessa pessoa que ela não precisa ser quem ela não é de fato, é poder deitar no peito dessa outra pessoa e ouvir seu coração bater, é beijar sentido a umidade dos lábios, é deixar-se cair nos braços da outra pessoa com a confiança que uma criança que se deixa no colo da mãe, é olhar nos olhos do outro e saber de suas verdades e de suas mentiras, é ser surpreendido com um beijo na boca, é pedir que fique mais um pouco, é olhar para o outro pela primeira vez e se apaixonar, é olhar para o outro pela primeira vez e sentir que se tornaram amigos porque sua alma sentiu que vocês se completam, é brigar com seu amor, mandar ele ir em embora fazer suas malas depois arrastá-lo para o quarto e fazer amor, é dizer você não presta mais eu te amo tanto.... é conhecer todos os seu defeitos e odiá-lo por isso ou amá-lo ainda mais também por isso, é sentir o cheiro, a textura, o gosto, a temperatura, os fluidos, é saciar se do outro querendo ainda mais, é sentir medo, é suspeitar, sentir ciúme, trazer flores, chegar mais cedo, é sentir que o amor está esfriando e aquecê-lo com uma noite só nossa, é inventar acasos só para te ver, é sentar com o filha na sala, é saber como foi o seu dia, é querer ajudar, é sentir o que o outro sente por você quando se cumprimentam, é sair para comprar um presente para alguém, é pedir ajudar, é dar uma mão, é caminhar juntos no sentido figurado da palavra caminhar, é caminhar juntos no sentido denotativo da palavra caminhar, é querer voltar para os braços de alguém, é rolar para o outro da cama e encontra o outro do seu lado, é acordar no meio da noite e fazer juntos coisas inesperadas, é trazer o seu café, é saber o que o outro sente é pensa sem que ele diga, é crescer juntos na alma e no coração, é boca com boca, é olho no olho no olho, é sexo com sexo, é implorar seu beijo, é fazer promessas, é pedir perdão, é amar para desamar para talvez amar de novo, é sentir calafrios quando te olham nos olhos. Não importa o quando esses sentimentos nos fazem antiquados para esse mundo engolio pela frieza do capitalismo, do consumismo, do globalismo, do competitivismo que apaga a alma é esfria o coração. De fato somos antiquados e inadequados ao mundo moderno, não somos capazes de respirar a fumaça das fábricas, de beber o veneno dos rios, os corantes e conservantes dos produtos industrializados, não somos capazes de suportar sem danos esse poluição sonora, visual e luminosa por mais que um noite, somos tão primitivos em nosso corpo físico como foram nossos antepassados nas idades mais antigas.
Esse sou eu, esse é você inadequados ao seu próprio tempo, porém, homens é mulheres de verdade. Deixemos que as máquinas cumpram o seu papel de máquinas, alma e coração é coisa que vem de Deus, estão não vamos tentar colocá-lo nas máquinas, não vamos esquecer nossa essência de seres humanos nas máquinas, nem tentar viver um tempo que não é nosso, somos inadequados a vida que levamos, somos primitivos no mais fundo de nosso coração e de nossa alma, e o que comprova isso é são as nossas dores de amor.
Inventamos essa ilusão de proximidade para não nos sentirmos tão abandonados em nós mesmos e tão carentes de um amigo, um coração sincero, um amor verdadeiro, um abraço caloroso, um reconhecimento verdadeiro, um elogio que sai do coração, um sorriso que vem da alma. Certamente essa ilusão é uma mentira que não convence nossos instintos de animal que precisa se agregar não só de corpo, mas de coração. Eu ainda sou o mesmo menino que precisa de um colo e de sua palavra de incentivo e admiração, também sou aquele mesmo menino rebelde que precisa de repreensão.

J.Nunez
O IMPARCIALISMO

O Possibilismo

O capitalismo e o consumismo são os pais legítimos do Possibilismo:
Que são os olhos fixados no lucro, olhos cobiçosos dos homens de negocio,
Olhos gulosos que buscam os caminhos possíveis para a especulação e a exploração de lucros imediatos.
O que foi chamado de Modernismo, na verdade, e há muito tempo, é o Possibilismo,
Que nasceu no auge da ganância e nas explorações dos caminhos possíveis.
Tempos em que a vida não é orientada por vocações
Mas se vai por onde dá, e se faz o que tem para fazer.
A continuidade do Possibilismo é este contexto histórico em que vivemos,
Em que buscamos cada dia mais os meios possíveis de sobrevivência.
Tempo de células-tronco, biodivercidade, código genético, aquecimento global, colisão de mundos, detritos espaciais, engenharia genética, aborto, inseminação artificial, máfia verde, inclusão social, globalização, reciclagem, namoro virtual, sexo sem penetração, biocombustível, energia renovável, abdução, casamento gay. Aldeia global, multiculturalismo....
O Possibilismo tem inicio na música comercial, no livro comercial, historia comercial,
A dança comercial, no disco comercial, na bunda comercial, no rosto comercial,
No corpo comercial, na primeira merda do filho da celebridade, na moda comercial, no padre comercial, no programa comercial, a igreja comercial, no lixo comercial, quando o que é de bom gosto, elevado e espiritual, perdeu seu espaço para o lucro.
O Possibilismo é filho legitimo da máquina, e a extensão desastrosa do capitalismo.
O Cristianismo primitivo é o filho legitimo de Cristo, e a igreja a extensão desastrosa do imperador Constantino l.
O Possibilismo geográfico de Paul Vidal de La Blache,
Com a teoria da exploração do espaço geográfico,
Ou espaço vital utilizado por Hitler, se estendeu para a literária, a música, a arte,
O Lazer, a recreação, a moda etc, o Possibilismo é conseqüência natural do Capitalismo, é a exploração comercial de tudo...
Depois da ganância, dos anseios e da liberdade de expressão,
Novas vitrines, novos ricos, novos pobres,
Novas marcas e um novo público consumidor.
Agora somos a sociedade do prazer, tudo pela felicidade, nada de penitências
E sacrifícios, nada de conceitos que atrapalham sermos felizes,Tudo esta sujeito ao prazer.
Se os preceitos religiosos atrapalham, os Mudaremos,
Se Igreja incomoda, a transformaremos,
Se a bíblia incomoda, a reescreveremos,
Somos Possibilistas, e apenas precisamos de Deus quando nos sentimos sós,
Deus se tornou um amigo subordinado
Aos nossos caprichos e necessidade de prazer.
Mas uma coisa ainda nos incomodando, é que parece que existe um Deus furioso na força dos vulcões, um Deus irado que chacoalha a terra, um Deus castigador no sopro furioso nos furações, um Deustempestuoso nas águas do mar, um Deus independente da idéia que tenho a respeito dele, Será que os gregos estavam certos! Será que os índios estavam certos! Será que os negros estavam certos!
O que eu sei é que o modernismo não terá um fim, sem o medirmos com o avanço tecnológico.


Salomão Alcantra

J. Nunez

Um Novo Caminho para a Literatura

A poesia globalizada, o multiculturalismo e a imparcialidade nas obras literárias é um novo caminho que se abre para a literatura, os poetas que buscam a poesia que faça uma leitura do homem contemporâneo estão nesse caminho que se abriu com a Era da Informação.
O estudo do novo contexto é a base para a realização desse novo caminho para a literatura. O novo contexto para a literatura não é mais regionalista, e não se prende a uma cultura determinada, a nova poesia é globalizada, multiculturalista, imparcial, assim, apropriada para a nossa Era da informação. Os artistas contemporâneos, não importa que expressão artística utiliza, não podem esperar pelo fim do Modernismo Brasileiro ou mesmo mundial, porque esse é medido pelo avanço tecnológico, pelo progresso da sociedade industrializada e pelo capitalismo que não terá um fim, podemos observar sem esforço que o homem tomou um caminho sem volta rumo a sua autodestruição, Ela anda de mão dada com a destruição do planeta, e até se confundem.
O que os artistas podem fazer é observar essa realidade planetária, social, coletiva e individual e dessa observação do contexto criar o novo caminho para a literatura.
As tendências não são necessariamente mecânica; as tendências podem surgir da observação do contexto.

j.nunez

A Métrica na poesia Imparcialista

O poema Ciclo de Octávio Guerra é o estudo para uma nova estética, uma nova forma, um nova temática, um novo contexto histórico. As inovações ocorrem na métrica, são feitas através de letras e palavra e que considera o substantivo composto como uma única palavra dentro do poema porque representa um único objeto. Todos os versos devem possuir a mesma quantidade de palavras, salvo o verso imparcial que de ser livre e fora da estrofe, este verso imparcial deve representar ao dois pontos de vistas, os dois lados, dois conceitos sem que oscile.
O poema se compõe de duas estrofes que devem terminar sempre em numero par e com a mesma quantidade de versos em ambas estrofes, neste poema e entre as estrofes deve haver o verso imparcial que representará as duas estrofes, este verso deve ser único livre e imparcial.
O numero de palavras ou letras na métrica do verso, são livres de um poema para outro, porem deve obedecer o mesmo numero de letras e palavras em todos os versos e ainda o numero de palavras ou letras deve resultar em um numero par.
Do mesmo modo que o verso imparcial abrange as duas estrofes, o titulo também deve abranger as duas estrofes para que aja imparcialidade. Esta característica de imparcialidade faz possível a leitura das estrofes separadamente, tornado o verso democrático e imparcial.
No poema inovador de Octavio Guerra a soma das duas estrofes e do verso impar é um numero impar, para que assim sobre um verso que é o verso imparcial.
Para orientar a leitura o poema imparcial deve conter o titulo e o tema abordado, assim dá maior facilidade de leitura e interpretação.
O distanciamento de campo semântico no verso é outra característica que resulta da era da informação e da democracia do conhecimento. Por de trás da estética e da forma do verso imparcialista escondem os conceitos de liberdade, justiça, democracia, igualdade, direitos , individualidade, coletividade, imparcialidade, possibilidades e flexibilidade.
O que vem reforçar esta visão de direitos iguais e democracia não é um novo contexto, mas fatos que representam estas mudanças no cenário mundial. A eleição do primeiro presidente negro da historia da política no Estados Unidos é um dos fatores que reforçam esta inovação para um novo contexto mundial. Não podemos esquecer que o tema abordado é um acontecimento e uma preocupação constante na sociedade.
Pode se notar na Poesia Imparcialista o multiculturalismo e a globalização presentes na Era da Informação. O que representa aqui a teoria da métrica imparcialista é o poema de ABILIO SANTANA.
Esse poema revela a emancipação e o poder da mulher, e deixa claro a inversão da ordem clássicas dês coisas.

Meios

Nem mesmo o espírito santo,
Nem o vento frio
Entrou por está janela
Trazendo o pólen fértil.
Então sem medo algum
Pouse em minha flor
Aberta para a noite,
Livre de pudor cristão.

Sexo não é mais necessariamente reprodução

Fujo desta mulher viúva negra.
Depois da ejaculação precose,
Tenho medo de mulher
Que consome minha seiva,
Me usa com crueldade...
Depois fecha a flor
E recolhe o pólen,
Sem ereção sou inútil.

Abílio Santana
J.Nunez

Uma Chance para Recomeçar

Sou rio que foi sujo pelo caminho
E se purificou correndo entre as pedras e as quedas,
E broto outra vez cristalino.

Saulo Menezes Castro

Não é o que os outros pensam que vai tirar
De você a chance de recomeçar,
De provar que você é capaz de vencer.
Deixei meu orgulho e minha vaidade de lado
Porque eu te amo demais para te perder assim.
Eu posso te perdoar porque já vivi o bastante
Para saber que somos feitos de ilusões.
Aprendi com meus erros,
Eu sofri meus fracassos,
Eu chorei noites de solidão.
Eu posso te perdoar,
Eu também já sofri arrependimentos
E o remorso me mastigou por dentro.
Compreendi que sou humano,
Que a vida se faz de vitórias e fracassos,
Que um dia não é uma vida, quando se quer vencer,
Quando se espera uma chance para recomeçar.
Não fui condenado à vida inteira por um erro,
Também não posso te condenar
A vida inteira por seu erro;
Quando sinto que você quer recomeçar,
E que aprendeu a lição
De que esse mundo é feito de ilusão.
Eu sei que o perdão vem da força do amor.

Francisco Medeiros
J.Nunez

Mulheres de Renoir

UMA MULHER REAL
Publicações querem modelos próximas da mulher "real"»É o fim das magérrimas? Leia mais no Yahoo! Entretenimento

Meu cronopoema de hoje é inspirado nessa reportagem maravilhosa.

MULHERES DE RENOIR

Eu a amei a primeira vista,
Não a maneira adolescente
E infantil de se amar a primeira vista,
Mas a maneira contemporânea e madura
De se amar a primeira vista.
Eu a amei porque ela é virgem,
Não estou falando de uma menina com flores no cabelo,
Estou falando de uma mulher madura,
Com todos os atributos de ser mulher.
Sim, ela é virgem de estética artificial e bisturi,
Ela é mulher feita com toda herança genética
Que uma mulher possui.
Eu a amei tanto, e não me farto de amar essa mulher real,
Essa mulher que se deixou em minha cama,
Com seu corpo lindo igual às mulheres de Renoir.
Eu a amei não porque ela era desse ou daquele jeito,
Eu amei tanto, porque ela é mulher real
E possui a leveza de quem está em paz com seu corpo.
Ela me amou de luz acesa, se deixou nua sobre os móveis
E andou nua pela casa.
Eu vi seu corpo nu, sua alma, seu pensamentos, seus sonhos,
Seus sentimentos, suas sensações suas suspeitas e seu coração.
Nunca tinha visto uma mulher tão nua, tão livre,
Tão leve e tão feliz por ser ela mesma.
Eu a amei por isso, eu ainda a desejo por isso...
Ela esta vestindo as roupas, eu a contemplo ainda nua,
E estou aponto de implorar fique mais uma noite,
Ou fique eternamente ou então me mata de saudade.
Não posso perder essa mulher
Por causa desse tempo de sexo casual
Que não compromete o coração e que me impede de ser feliz.

HERMINIO VASCONCELOS
J.NUNEZ

O IMPARCIALISMO: POESIA PARA O NOVO

O Possibilismo II

A sociedade do prazer

Como profetizou o filosofo Karl Marx.
O homem se fundiu à máquina,
E a máquina ditou o ritmo do trabalho,
E a máquina que não sente fome, roubou o sustento do homem,
E a máquina triturou corpos sem distinção de cor, sexo e idade,
E a máquina condenou e engoliu almas...
E a máquina expulsou os homens do campo, a trouxe fome à cidade,
E a máquina Fez ruído de correntes, roncos de motores e destruí o Bucolismo,
E a máquina que um dia substitui seu corpo, agora substitui sua mente,
E a máquina fabrica o que você não pode comprar,
E a máquina faz ás marca que você calçar, que você veste, que você bebe e come,
E a máquina destruiu a estima humana, e ganhou a bajulação dos patrões,
E a máquina é um deus que faz lucros exorbitantes.
Depois prevaleceu o capitalismo,
O epicurismo, o cristianismo e conservadorismo Americano,
Que pregou o consumismo, o sonho americano,
E o direito de acesso aos bens de consumo,
Que considera a família sagrada, porque consome.
Assim manipulou, imitou de maneira hipócrita,
O equilíbrio do império romano, no tempo de Otaviano Augusto,
E o epicurismo do poeta Horácio, e do filosofo Epicuro de Samos.
Depois prevaleceu o capitalismo, e um futurismo moralista e puritano,
Antes denunciado por Marinetti, Walt Whitmam e Pessoa,
Mas não me engano, o homem é o mesmo, a moral e a religião é uma mascará...
E o que importa é quem somos por de trás de tudo isso...
Não se de o trabalho de abrir a boca para dizer quem é você,
As marcas falam melhor que você, elas são a sua a ideologia, sua religião,
Sua filosofia de vida, seu objetivo, seu tempo de lazer, sua recreação,
Sua segurança, seu status, seu medo, seu ideal, sua luta...
Deixe que a Ericsson, a Ferrari, a Honda, a Johnson's, a Lamborghini, a Mercedes-Benz, a Nestlé, a Olivetti, a Opel, a Peugeot, a Philips, a Pirelli, a Porsche, a Renault, a Rolls-Royce, a Siemens, a Suzuki, a Yamaha ect, falem por você.
Você sem nome, você sem individualidade, você publicidade ambulante...
Logo a ilusão de uma sociedade de recreação,
Os eletros domésticos, ferros de passar, geladeiras, fogões, computadores,
Micro ondas, rádios, toca disco, DVDS, telefones, carro, tv e muitos outros objetos
Que trouxeram a ilusão de conforto, felicidade e de que são indispensáveis;
Quando na verdade a necessidade só criada mais necessidade.
Quando na verdade á felicidade custa sua vida, sua alma,
A sua penitência, a sua morte, sua conflitos de consciência,
Sua crise de existência, a solidez de sua alma, seu abandono de corpo,
Seu estado de êxtase, Sua loucura, seu budismo, seu cristianismo,
Seu arrebatamento de corpo e alma.
Chamamos de felicidade o que na verdade é apenas a mecânica da vida,
O provável e previsível o modismo fútil que o tempo ridiculariza.
Basta ver na tv a moda dos anos noventa, oitenta... Que comprovará o que digo.
Tomamos por verdade inabalável e felicidade indestrutível, todo os conceitos que Cumpram os requisitos nossa idéia ilusórias sobre a vida.
O que acreditamos não é necessariamente a verdade,
É apenas o que desejamos ouvir, é uma idéia confortável sobre a vida.
Agora o homem sente se traído;
O sonho não chegou, o robô não veio,
O que chegou é o resultado da exploração do planeta,
O que chegou é a ira da mãe Natureza,
O que chegou é o lixo espacial,
O que chegou é a esgotamento do recurso natural...
O que chegou é o auge do capitalismo, onde tudo está à venda,
O que chegou é a era da informação,
Onde quase todo mundo tem acesso à quase tudo,
E vulgarizou o conhecimento; tornando muito difícil aparecermos interessantes!...
Nosso discurso começou a mudar, e a educação
Não é mais um meio da ascensão social,
E sim um meio para o crescimento intelectual do homem,
Porém este novo discurso oculta a grande decepção humana.
Nem o capitalismo, nem o socialismo fracassaram;
É que a idéia de justiça social é mesmo utópica.
Justiça e injustiça são o livre arbítrio dos homens,
E quando em desequilíbrio é Tirania.
Sempre houve, e sempre haverá caçador e presa.


Salomão Alcantra

J.Nunez

Funkeiras, Presidenta da Republica e Homens Entorpecidos

A um abismo social e cultural entre as mulheres contemporâneas,
Um abismo em que do lado direito está as execultivas e as candidatas
A Presidência da República.
Do lado esquerdo as funkeiras e outras dançarinas
E suas danças que insinuam o sexo.
Essas do lado esquerdo são a imitação da baixeza, libertinagem, frouxidão moral
E sexual tão natural nos homens.
Essas do lado direito são as que estão no poder,
Elas representam a inteligência, a intelexto, a consciência politica e social.
Essas do lado direito são as que nós homens Invejamos, vezes furiosamente,
E amamos com um amor intelectual e sexual.
Estou errado, ou você votaria em um funkeira para Presidente da República.
Essas do lado esquerdo são as nossas baixezas,
Cada vez mais profundas, porque essas do lado esquerdo
Proliferam espantosamente, e nos afundam junto com elas
Quando nos permite ser tão sujos com elas.
Não é verdade, mas parece que as mulheres
Do lado esquerdo e as do lado direito combinaram que:
Enquando elas da esquerda nos entorpece com seus rebolados desconsertantes
E sua liguagem suja que envergonha até os homens mais frouxo na moral.
As mulheres do lado direito acendem maravilhosamente com seus estudos,
Suas pesquisas, seu dimanismo, com sua Inteligência, seu intelecto...
Elas depois dividiram o poder.
O que é verdade é que as mulheres do lado esquerdo afundam junto com os homens.
Vale observar que os homens sempre foram fracos diante do seus intintos,
Porém são naturalmente hipocritas e essa hipocrisia tem nos salvado
De uma catastrofe social, ou será que você
Permitiria um ponto de travesti e Prostitudas na porta de seu doce lar...
Onde seu filhos estão sendo educados como homens e mulheres que um dia
Estaram no poder. Será que você isso permitiria em nome da inclusão social!
Não existe essa inclusão social sem que nos afundemos e nos auto-destruimos
De tanta perversidade sexual.
O que nos salva é essa hipocricia, que deixa as coisas em seus devidos lugares,
Onde podemos ser sujos e viver toda a nossa perversidade sexual e moral.
Quem controi um país são os seus homens e mulheres de conhecimento
E de uma hipocrisia nata.
O poder estará sempre nas mãos dos homens e mulheres que detem o conhecimento.
O japão, a alemanha, os estados unidos, se levantaram com seus homens
E mulheres de conhecimentos, certamente nós nos levantaremos,
Certamente não será com nossas bundas,
Ou será que pode haver revoluções de nádegas!
Nossas bundas serve apenas para o turismo Sexual, tão comum no carnaval.
Tudo bem que o capitalismo reduziu tudo a compra e venda,
Mas devemos ser mais Hipocritas, tirar nossas bundas maravilhosas
Dos meios de comunicação e coloca-las em um Lugar seguro
Onde deves enquando vamos até Lá
Com toda a nossa hipocrisia e nos Instintos sexuais
E nos acabamos longe dos olhos de nossos companheiros de poder,
Podemos até ir juntos, porém com toda a Cumplicidade masculina
Que as mulheres ainda não sabem exercer.
O brasil tem sido um destes puteiros para europeus, asiaticos, americanos etc
Porque temos que ser o prostíbulo; e não eles.
No carnaval não sei se somos mais hipocritas ou menos hipocritas.
O que eu sei é que tudo que é proibido durante o ano
É permitido nos dias de carnaval,
É de uma falsidade Dizem que o canaval é cultura!
O canaval é um pretexto que nos permite deixar, com toda a naturalidade,
Nosso sexo exposto.
Se o carnaval é cultura onde está nosso Mozart,
Nosso Friedrich Wilhelm Nietzsche
Nosso Goethe, nosso Michelangelo, nosso Leonardo Da vinci
Nosso Fernando Pessoa, nosso premío Nobel,
Nossos leitores, nossos Dante Alighieri, nosso Oscar, nosso Orson Welles...
Aleluia! temos Machado de Assis, Drummond e outros modernistas.
O carnaval é permitido por nossa hipocricia e nosso cinísmo,
E usado muito bem pelo capitalismo televisivo que transforma tudo em dinheiro.
Se você descorda, que é natural, aconselho que pergunto para a mulata
Ou a loira o que diz o samba enredo de sua escola.
Pergunte para qualquer homem se ele é filosófo enquanto um mulata rebola...
Elas devem ser arma do governo, como as chacretes foram na ditadura Militar,
Um tempo que não podiamos pensar
Mas as chacretas estavam lá, entorpecendo os sentidos...
Essa é a Sociedade do Prazer que permite tudo que é gostoso...
Coceirinha de bicho de pé também é gostosa,
Mas se deixa-los eles comem você...
Quem gosta de delicadezas cristão que vá ler Franscisco Medeiros.
A cultura popular se torna grandiosa quando quem está no poder
Aceita que esses constumes sejam praticados livrementes.
Quem possui essa autonomia de poder pode explorar e usar a seu favor
Tudo que o povo têm como sua identidade e sua caracteristica.
No brasil o carnaval e o futebol são explorados descaradamente.
Quem tem o poder não são os ingênuos;
O poder é para o homem maliciosos, cinícos, hipocritas e de conhecimento,
Nesse contexto tudo isso é elogio...

Salomão Alcantra
J.Nunez

Se não é o fim do Modernismo ao menos é o fim dos tempos.

Apesar do céu ter amanhecido azul na cidade de Marília,
Definitivamente é o fim dos tempos,
haja igreja para tanto gente desejando o céu...
já não pasta o clima agora os cientistas
dizem que um meteoro pode colidir com a terra em 2014
Um céu como recompensa é o que espero,
mas que céu é esse,
se o céu do qual eu tenho direito é patronizado pelo cristianismo
com um felicidade e um monotonia insuportavel.
Como podemos patronizar o céu e a felicidade,
se o nosso céu é um inferno.
O meu céu não pode ser igual ao de todo mundo,
Cá entre nós, queremos ir para o céu, mesmo que seja esse cristão,
com tudo que nós condena ao inferno, não conseguimos desapagar..
O céu de um carnavalesco deveria ser feito
de mulatas rebolando eternamente e samba a eternidade inteira,
o céu de um banqueiro deveria ser de muito dinheiro e muito,
mas muito consumo,
o céu da socialite não pode ser igual ao meu,
eu não suportaria tanta superficilidade,
e ela não suportaria todas as pesteiras que falo sem pudor,
o céu das funqueiras deveria ser um proibidão,
o céu de um jogador de futebol deveria ser de loiras mulatas, outras,
mais carros e música de mau gosto,
o céu na verdade deveria ser o Inferno de Dante,
sem diabo e muito fogo, é claro!
Esse céu patronizado não serve nem para as mais beatas das beatas
com seus sonhos eróticos e absolutamente molhados.
Que céu você está esperando,
um céu de música instrumental e anjos gordinhos tocando a eternidade inteira,
isso seria um inferno em forma de monotonia.
Passamos a vida inteira desejando um céu
que no fundo de nós mesmo sentimos que seria uma tortura infernal
ter que suportar anjinhos fofinhos tocanto eternamente,
e nós lá escutanto feito um gato gordo que se deixa no sofá da sala,
na verdade o que desejamos mesmo é o inferno,
mas sabemos que o diabo é malvado
e não nos deixará em paz para curtir nossa devasidão eternamente.
O diabo sempre vem com aquela história de fogo eterno.
Cá entre nós, não somos cisnes brancos!...
Se não fosse esse medo da morte trazidos pelas castastrofes,
o mundo é um céu para muito de nós.
Em fim não é que desejamos o céu; é que borramos de medo do inferno.
Acretido na espiritualidade em que a entrega é total
e a felicidade e a segurança vem dessa entrega...
Criamos um deus moldavel e mais o menos,
um deus simpatizante a tudo que é podre em nós...
Há! como eu amo a entrega a DEUS de Santa Rita de Cássia,
Os estigmas de são Francismo de Assis,
Esses santo de penitências mortificadoras, são os escolhidos de DEUS.

Salomão Alcantra J.Nunez

O Fantasma da Mulher que Amei...

Eles são sujos, e por isso nitidamente humanos...
Um corpo, tragos e goles de absinto
Meus olhos estão de volta a percorrer as lembranças
De seu corpo nu sobre sobre uma cama estranha,
Dentro dessa casa astrológica
E tudo que ficou é o fantasma da mulher que amei...
Meus olhos estão de volta a percorrer à noite
A procura de seu corpo; não suporto mais seu fantasma
Feito de lembranças e miragens do meu desejo.
Meus olhos estão de volta. Pergunto por ela, me dizem:
_ Ela se deu bem! se casou, têm dois filhos
E foi morar do outro lado da cidade, deixou o centro velho da cidade
Hoje infestado de vagabundos, drogados e prostitutas.
Eu a amei tanto!...
Eu amo tanto essa gente desclassificada do centro velho da cidade,
Eu os amo porque nossas almas possui afinidades,
Eles são sujos, e por isso, nitidamente humanos...
Não há mais rodas de amigos, a nossa irmandade,
Meus amigos foram forte e aprenderam a amar de novo...
Ela e os velhos amigos não vivem o que são,
Apenas carregam sem culpa, a sombra do que foram.
Meus olhos estão de volta no Café Sansara
Rua: Gusmão azevedo, 365
O Jone ainda fuma maconha e faz chorar sua guitarra elétrica.
Pensei que ela se contentava com meu corpo,
Alguns tragos, goles de absinto
E minha filosofia perturbadora da ordem das coisas...
Não posso ainda voltar para casa
Para o fantasma e as miragens da mulher que amei...
Vou me deixar essa noite nos braços de uma mulher
Que eu não a tenha na alma e no coração.
Se meu amigo e poeta Darcy Costa ouvir essa minha ladainha
Dirá que sou um fracassado
Que justifica e se esconde atrás da honrosa ideia de amor
Para que eu me sinta mais digno como ser humano.
Em parte concordo com ele, porém o fracasso
é na verdade para mim matéria prima para a vida.
O que é a mulher que eu amei se não Vênus
Em minha terceira casa astrológica....

Hermínio Vasconcelos J.Nunez

Geração ditadura militar, caminho suave e pornochanchada

O ministro da saúde José Gomes Temporão
Disse para nos Brasileiros fazermos sexo para a Hipertensão
Mas ele não disse se é sexo virtual ou não...
Dia 28 de abril poderá ser um dia histórico
Se o Supremo Tribunal Federal (STF) julgar a lei de anistia,
Certamente isso não ocorrerá por que as vitimas
E os culpados ainda estão vivos,
Esperarão que eles Não mais existam...
Ou que reescrevam a história feita Roma e a igreja.
Ai diremos: _ Que pena demorou muito!...
Não me lembro muito da ditadura militar,
Eu era apenas um garoto entrando na puberdade,
O que eu me lembro era das Chacretes com seu fio dental,
O que eu me lembro é do Clube do Bolinha e sua boletes,
Do Silvio santos e seus transformistas,
Do carnaval na revista Machete, do carnaval libertino TV,
Da música que insinuava sexo das letras de extremo mau gosto,
Das pornochachadas com seus títulos gratescos como:
A Banana Mecânica, Nos Tempos da Vaselina, Orgia das Taras etc.
Porque em um tempo em que era proibido abrir a boca
Era permitido tanto sexo e tanto conteúdo que não servia para nada.
Hoje eu sei por que o governo permitia esses conteúdos eróticos,
O governo queria nos entorpecer e nos entender com sexo...
E conseguiu...
Eu sou fruto da cartilha Caminho Suave e do sexo na televisão...
Essa geração também é entorpecida pelo sexo fácil,
Porém essa geração é resultado direto da industrialização
Que emancipou a mulher e da pílula anticoncepcional...
Essa geração sem cultura é fruto dos conteúdos que imbeciliza,
E da exclusão social e cultural que pode levar ao poder...

Salomão Alcantra

J.Nunez

MOVIMENTO LITERÁRIO IMPARCIALISMO

A Personificação do Amor

A nobreza de todas as formas de amar vem da personificação do desejo,
não podemos viver todas as sensações, sentimentos e pensamentos
Que habitam nossos cinco sentidos. Para não nos perdermos em um labirinto de desejos
insaciáveis e mantermos a lucidez, colocamos nossas sensações, pensamentos e
sentimentos obedientes as leis biológicas, condutas morais, comportamentos sociais,
leis religiosas e espirituais. Essa lucidez e essas rédeas que colocamos nas sensações
nos pensamentos e nos sentimento é que nos permitiu manter um equilíbrio básico na
sociedade. Caminhamos para concretizar a sociedade do prazer, essa sociedade que
busca o eliminar o preconceito, e junto com ele eliminar os parâmetros e os limites entre
certo e errado, os direito a ter opiniões, e assim fazemos o caminho inverso:
Caminhamos para a despreconceitualização que é a ditadura do preconceito que elimina
o direito a opinião.
Essa sociedade do prazer que solta às rédeas do desejo é a sociedade que caminha
para o caos social e humano, estamos formando uma nova Sodoma e Gomorra,
O caminho que nos salva e sempre nos salvou foi o da hipocrisia que conserva nossas
Sujeiras humanas em um lugar reservado a elas; se deixamos aflorar dotas as nossas
sujeiras internas e eliminar as rédeas e a hipocrisia estaremos levando a humanidade
inteira para as baixezas humanas, e nos igualaremos por baixo, já colocamos o puteiro
dentro de nossas lares, quando permitimos garotas de fio dental rebolando em nossa sala
de estar onde aos domingos estão nossos pais, nossos avôs, nossa esposa e nossos filhos
que devem ser educados para que se tornem homens capazes de guiar a si mesmo e a
sociedade, capazes de formar família e respeitá-la, capazes de guiar e servir a
sociedade.
O sexo sem rédeas entorpece a sociedade, a necessidade de equilíbrio e a capacidade de
se guiar sem se perder dentro dos labirintos do desejo faz com que personificamos o
amor e o desejo em um único corpo, essa fato mostra que subconcientemente sabemos
que o desejo sem rédeas e a sociedade do prazer está nos levando ao caos social e
humano. Somos uma sociedade viciada em sexo.
Temos lugares para nossos lixos, nossos esgotos e nossos expurgos; estão porque não
Conservamos a hipocrisia que é o nosso lixo interior, onde colocamos todas as nossas
sujeiras que desobedecem as leis que equilibram a sociedade, o humano e a alma.

Murilo Santiago
J.Nunez

O Tema Amor na Literatura Imparcialista

Na literatura Imparcialista cada poeta que integra o movimento tem sua maneira particular e característica de falar do tema amor. Na poesia do poeta José Nunes Pereira esse tema ganha ares conservador quando o amor é visto como uma dor clássica atemporal e comum a todo ser humano, no poeta Francisco Medeiros esse tema tem ares de cristianismo, amor correspondido e felicidade, no poeta Cícero Fernández o amor é pensado como um fator de equilíbrio na vida do homem contemporâneo e pós-industrialização, no poeta Jonas Corrêa Martins o tema amor é escrito como transcendente, misticismo e esotérico, no poeta Abdias de Carvalho o tema amor ganha ares de desprezo e baixezas morais e catástrofes, na poesia Abílio Santana o tema é visto dentro do olhar contemporâneo em que o homem é desmotivado pelo sexo fácil de seu tempo e pelos dificuldades sexual do homem desse tempo, o tema amor na poesia de Hermínio Vasconcelos é tratada com leveza, leviandade, liberdade e prisão sentimental, no poeta Saturnino Queiros o amor é maturo, forte, fiel,nesse poeta o amor é um mistura de Escorpião-Touro, na poesia do poeta Josias Maciel o amor é uma mistura de potência masculina com a delicadeza feminina, em sua poesia o homem e a mulher são colocados em seus lugares naturais, na poesia de Octavio Guerra o amor é visto quase que apenas como um fator social, na poesia de Murilo Santiago o amor não é expressado sentimentalmente mas é revelado como algo que está no subconsciente e que naturalmente desconhecemos,nesse poeta o amor é revelado de maneira complexa sentimental e psíquica, na poesia do poeta Darci Costa o amor é estudo em todo o seu processo de pensar e sentir, a poesia é o percurso que o amor realiza em nossas mentes coração e corpo, o amor na poesia do poeta Salomão Alcantra é tratado com toda a imparcialidade, crueldade e frieza que lhe é característica, no poeta Saulo Menezes Castro o amor se funde com o universo, e os corpos se perdem em um êxtase holístico.

Cronopoema: O jardineiro artificial e outros


Cronopoema: O jardineiro artificial e outros

Cronopoema é o fazer literário tendo como base os acontecimentos do dia, a estética desse estilo é formada de poema, prosa, conto, crônica e jornalismo.
O cronopoema não faz críticas, e sim relatos, leituras da realidade e constatações imparciais dessa realidade; esse conceito de imparcialidade é apropriado a nossa Era da Informação e nossa ditadura da opinião.


O jardineiro artificial

Ano dois mil e trinta e três, 
Até então os cientistas tinham a ilusão de manipular a genética,
Até que deu na manchete de todos os jornais: 
Cientista chega em casa e pega sua esposa transando com o jardineiro artificial,
Quando eu digo artificial estou dizendo no sentido conotativo da palavra,
O jardineiro é uma criação do avanço cientifico e tecnológico,
O jardineiro é resultado da manipulação genética.
Como todo marido traído e como todo bom e velho homem primitivo
Que é muito humano em todas suas emoções, sensações, pensamentos
Com toda Irritação à luz artificial, a poluição sonora e outras centenas de poluição,
Com todo o seu subconsciente, com todo o seu desejo de ser amigo,
Amante viril, e com toda suspeita de marido e pai de família
e com todo o seu apego a vida e a matéria,
Esse bom e velho homem primitivo matou a facadas
(Em 2033 ainda existe faca) sua esposa e o amante.
Criação infeliz... Desse cientista, que com tudo é primitivo e não suportou 
A traição de sua mulher artificial, aqui o artificial tem sentido denotativo ok.
Uma observação: O cientista errou na mão...
Deu ao jardineiro artificial um membro viril muito maior e mais grosso que o seu,
E isso custou seu casamento, você sabe como é, marido ausente,
Jardineiro lindo e gostoso ali, justou a fome e a vontade de comer.
(Em 2033 comer é isso mesmo o que você está pensando.)
O cientista em questão descobriu de maneira trágica
Que ele não domina si quer suas emoções, quem dirá a natureza,
Deixemos a natureza para o grande arquiteto do universo e da vida, Deus...
Sejamos humildes como os índios,
Que se integra ao universo e com a vida,
Comem o que a mãe natureza dá,
Banham nas águas das cachoeiras,
Se tornam UM com a vida e o universo
Quando dança e cantam seus mantras tirados da natureza...
Eles respeitam a vida e a natureza 
Porque sentem a presença de Deus em tudo,
E o que são seus deuses se os elementais da natureza, 
Se não o Deus invisível em tudo que foi por criado próprias sua mãos.
“Para que inventar tanto tanta moda,’’
Como dizia meu bom e velho avô.
Somos e seremos sempre primitivos em todas as nossas emoções, sensações,
Limitações, necessidades, nossa biologia... 
Aceitemos a vida e a morte naturalmente, acreditemos na alma no carma
E na evolução da alma, e sejamos simplesmente felizes...
Como um bom o primitivo... Que é o que somos.
O poeta IMPARCIALISTA Josias Maciel disse:
Quer algo novo: faça sexo tântrico com sua esposa
E se torne UM com a natureza e o universo...e Deus está lá...

Salomão Alcantra
J.Nunez

Onde está a fronteira entre o certo e o errado?

Eu não posso ficar calado, não vou ficar calado!...
Eu imploro! Não fique calado!... Grite reclame, implore...
Pelo amor de Deus!
Vamos sair dessa passividade brasileira clássica e ridícula.
Essa minha fúria é fruto da primeira notícia que eu recebi 
Nessa manhã de sexta-feira, 14 de maio de 2010
É a noticia de uma mulher sendo roubada dentro de uma delegacia,
E os policiais não fizeram nada, você escutou bem! Não fizeram nada!...
Porque não fizeram nada? Certamente tiveram medo dos bandidos,
Certamente temeram por suas famílias e por suas vidas...
Não posso acreditar que a polícia e o bandido 
Se aliaram para roubar pobre que não possui segurança particular.
Pelo amor de Deus alguém de me dê uma arma de fogo,
Eu preciso sair para trabalhar!
Eu preciso me armar, eu preciso proteger minha família...
Minha filha que tem apenas um ano e seis meses...
Eu preciso sair agora e comprar uma arma de fogo!...
Esse fato não é só feito por policiais que não fizeram nada,
E por bandidos que romperam com a fronteira,
Que deveria ser intransponível, entre a sociedade de homens de bem
E os criminoso e expurgo da sociedade...
Nossas teorizações inconscientes nos leva a pensar 
Em socialização de expurgos sociais e lixos humanos,
Quem seria capaz de sentar-se a mesa com o assassino de seu filho?
Nesse ponto temos que deixar de ser hipócritas!
É o fim do mundo, agora eu tenho certeza de que é o fim do mundo,
E esse fim do mundo não foi profetizado!...
Esse fim do mundo se realizará através do caos social que estamos vivenciando,
Perdemos totalmente a noção de certo e errado,
Na educação somos estúpidos quando damos 
Camisinha para crianças na escola para que façam sexo seguro,
Deveríamos educar essas crianças para que formem família,
Que trabalhem, estruture a vida, respeito seu próprio corpo,
Respeite o sentimento e o corpo do outro, 
que descubram o amor no namoro,
E que o casamento e a família seja sua meta na vida,
Que tenham virtudes cristãs,
Que sejam capazes que exercer a cidadania, que saibam diferenciar
O homem de bem que trabalha para o bem comum de bandido e criminosos,
Que possam saber ao menos de que lado estão,
Mas o que fazemos é dar o braço a torcer,
E o que mais poderíamos fazer, 
Se muitos pais de seus filhos são distantes e não possuem
A menor noção de educação e formação básica de um ser humano,
E como poderiam ter essa noção? Se eles são fruto da exclusão
E a educação de seus filhos reflexo do reflexo dessa exclusão 
Que nos levou a esse caos social.
Rompemos com tudo! Puteiro e porta de nossa casa onde educamos nossos filhos
Está se tornando a mesma coisa, policia, justiça e bandido de confundem,
Homens e bem, pais e família, assassinos e outro criminosos se confundem,
Não sabemos onde começa a sociedade de formada
Por seres humanos com virtudes cristãs
E os homens que rompem com todas as leis...
Onde está a fronteira, entre o certo e o errado?
Nesse caos social em que vivemos não sabemos mais onde 
É o puteiro e a porta de nossa casa, em nossa sala garotas de fio dental
Rebolam na TV, enfrente a nossos filhos e nossa esposa,
Se hipocrisia é sinônimo de sensatez, equilíbrio e noção de certo e errado
Devemos voltar ser hipócritas, e logo.
Nesse ponto devemos ser mais hipócritas!
O que mais me impressiona desse lixo cultural 
Produzido pelos filhos da exclusão é o fato de que os filhos das classes sociais
Que se preparam para ser o poder na sociedade,
Está envolvida até o pescoço do lixo cultural que está na mídia
E que é produzido nos lugares de exclusão social de nosso país,
Mas como não ser seduzido pelo lixo cultural que é 100% sexo.
Com o sexo ninguém pode!
Meu Deus! Esses doutores, juízes, administradores, professores, formados
De conteúdo de faculdade é lixo cultural que vem lá dos lugares
Mais baixo da sociedade...Ai de nós e do futuro em suas mãos.
Eu os amo, lugares mais baixo da sociedade!.., Porém não posso ficar calado
Sou o imparcialista e também estou ai na zona de exclusão...
Jesus amado, perdemos a noção de leis biológicas, leis humanas, lei de Deus...
Fazemos tudo em nome do prazer, afinal somos a sociedade do prazer.
Nos como brasileiros e cidadãos do mundo 
Vivemos o caos social universal de nosso tempo,
Porém temos um agravante!...Somos frouxos na moral, tolerantes em demasia, 
Excessivamente flexíveis, passionais, passivos etc. 
Somos os típicos colonizados!... 
Com mentalidade e passividade de colonizados,
Pelo amor de Deus...ACORDEMOS!... 
Porque foi que aceitamos ser desarmados!..
Porque somos coniventes e passivos 
Deitados eternamente em berço esplendidos!...Colonizados!...

Salomão Alcantra
J.Nunez

De que céu estamos falando!...

Apesar do céu ter amanhecido azul na cidade de Marília,
Definitivamente é o fim dos tempos, 
haja igreja para tanto gente desejando o céu... 
já não basta o clima agora os cientistas 
dizem que um meteoro pode colidir com a terra em 2014
Um céu como recompensa é o que espero,
mas que céu é esse, 
se o céu do qual eu tenho direito é patronizado pelo cristianismo
com um felicidade e um monotonia insuportável.
Como podemos patronizar o céu e a felicidade, 
se o nosso céu é um inferno. 
O meu céu não pode ser igual ao de todo mundo,
Cá entre nós, queremos ir para o céu, mesmo que seja esse cristão,
com tudo que nos condena ao inferno, não conseguimos desapagar.. 
O céu de um carnavalesco deveria ser feito 
de mulatas rebolando eternamente e samba a eternidade inteira, 
o céu de um banqueiro deveria ser de muito dinheiro e muito, 
mas muito consumo, 
o céu da socialite não pode ser igual ao meu,
eu não suportaria tanta superficialidade,
e ela não suportaria todas as pesteiras que falo sem pudor,
o céu das fanqueiras deveria ser um proibidão, 
o céu de um jogador de futebol deveria ser de loiras mulatas, outras, 
mais carros e música de mau gosto, 
o céu na verdade deveria ser o Inferno de Dante,
sem diabo e muito fogo, é claro! 
Esse céu patronizado não serve nem para as mais beatas das beatas 
com seus sonhos eróticos e absolutamente molhados. 
Que céu você está esperando, 
um céu de música instrumental e anjos gordinhos tocando a eternidade inteira, 
isso seria um inferno em forma de monotonia.
Passamos a vida inteira desejando um céu 
que no fundo de nós mesmo sentimos que seria uma tortura infernal 
ter que suportar anjinhos fofinhos tocando eternamente,
e nós lá escutando feito um gato gordo que se deixa no sofá da sala,
na verdade o que desejamos mesmo é o inferno,
mas sabemos que o diabo é malvado 
e não nos deixará em paz para curtir nossa devassidão eternamente. 
O diabo sempre vem com aquela história de fogo eterno. 
Cá entre nós, não somos cisnes brancos!... 
Se não fosse esse medo da morte trazidos pelas catástrofes, 
o mundo é um céu para muito de nós.
Em fim não é que desejamos o céu; é que borramos de medo do inferno. 
Acredito na espiritualidade em que a entrega é total 
e a felicidade e a segurança vem dessa entrega...
Criamos um deus moldável e mais o menos, 
um deus simpatizante a tudo que é podre em nós...
Há! como eu amo a entrega a DEUS de Santa Rita de Cássia,
Os estigmas de são Francismo de Assis,
Esses santo de penitências mortificadoras, são os escolhidos de DEUS.

Salomão Alcantra 
J.Nunez


Musas, patrões da beleza e famosas em dias de carnaval.

Uma famosa, dessas que só é musa e famosa no carnaval
Foi levada à justiça porque um rapaz que acabou de sair da puberdade
Comprou uma revista em que essa famosa, que é famosa nos quatro dias de carnaval,
Está fazendo o famoso nu artístico,
Porém o rapaz que por sinal e por incrível que pareça é virgem,
Contudo versadíssimo em computadores,
Desfez todos os recursos que o computador coloca nas mulheres de revista,
Depois desse feito extraordinário a famosa em dias de carnaval,
Ficou um pouco parecida com sua avó materna,
O rapaz ficou desiludido como se fosse a primeira traição de sua vida,
Depois ele acostumou, no entanto a traição da famosa 
Em dias e carnaval não ficou barato,
O rapazinho contou tudo para a mamãe,
A mãe ficou furiosa... como era de se esperar,
Ela esbravejou bastante e decidiu procurar o direito do consumidor,
Afinal, ela tem toda razão... Como pode seu filhinho ainda virgem
Ser enganado por essa superficial ou artificial.
No tribunal a famosa que é famosa só no carnaval negou tudo!...
O que é natural, alguma coisa tem que ser natural...
O juiz disse _ a senhorita (oh senhorita!) está sendo acusada de ser inteirinha falsa,
O advogado de defesa interveio _Meritíssimo,
Minha cliente pode ser falsa na personalidade, mas no corpo não!
O juiz continuou:
_ A senhorita pode nos dizer quais dessas cirurgias a senhorita realizou.
Estão o juiz passou uma lista das cirurgias que ele conhece
Porque sua esposa já realizou algumas delas.
A senhorita já realizou rinoplastia, blefaroplastia, 
Lipoaspiração, ritidoplastia, mamoplastia
Otoplastia, botox, durepox, fotoshop, abnominoplastia, himenoplastia,
Drenagem linfática, silicone e outras que desconheço.
Nego, nego até a morte, tudo que eu tenho foi consegui com meu Suor e meu dinheiro, isso é uma difamação, um calunia...
Disse furiosa a famosa em dias de carnaval.
Mas o juiz que sabe tudo de cirurgia plástica não entrou na dela,
E ordenou que ela pagasse ali mesmo os nove reais e trinta centavos 
Que o rapaz gastou para comprar a revista de nu artística.
Ela sai do tribunal morrendo de medo de que outros consumidores
Que se sentirem lesados entrarem na justiça pedindo o dinheiro de volta...
Que é justo!
Eu pessoalmente prefiro as mulheres de Renoir,
Mas quem disse que as mulheres se cuidam para os homens,
Elas se cuidam para as outras mulheres,
É uma espécie de orgulho e vaidade feminina.
Esse cronopoema é a informação da desinformação,
A notícia que não é notícia, muito mais comum em dias de carnaval.
Agora vamos a notícia:
“Homem mata esposa porque foi traído com o chefe de sua filha,
Que também andou pegando sua filha.”
Onde esse mundo vai parar, como é que os homens suportaram
Tanta falta de dignidade, humilhação e destruição de sua família.


Salomão Alcantra 

J.Nunez

O Cheiro da Fossa 

Levantaram a tampa da fossa,
Deixando em Brasília
Esse inigualável cheiro de bosssssssque.
Quem abriu a boca, quem ousou destampar à fossa...
E remexer na merrrrrrrcadoria secreta.
“Quem é que se importa com a opinião pública”
Estamos na democracia, e a confundimos
Com falta de vergonha na cara.
Você me diz o que pensa,
Eu faço de conta que não é comigo,
Que “não sei de nada” 
E assim fazemos um país cada dia mais cínico.
Não sou nem um pouco romântico, 
Sei do jogo de poder,
Mas também não precisamos ser tão desavergonhados,
Precisamos de um pouco de virtude, 
Mesmo que sejam elas cristãs.
Com tudo, ainda nos sobra uma qualidade, 
“A ética” esse decoro não nos deixa ser injustos
Com nossos companheiros de cumplicidade. 
Você não me enche o saco com seu civismo barato,
“Quem se importa com a opinião pública”,
Ela não passa de um cachorro de rua, 
Velho fraco e desdentado.
Quem se importa com esse povo sem atitude,
Com esse povo que é colonizado colonizador de si mesmo.
Você não me enche o saco com seu civismo frouxo
Senão eu te mando ir tomar no...
Igual o Chico Bento na nova gramática,
Igual ao senador na entrevista.
Em fim “relaxa e goza” 
Porque se fazer resistência, 
Vai doer muito mais que está doendo agora.

Salomão Alcantra

J.Nunez

Verdade é o que você quer ouvir.

Verdade é aquilo que você está disposto a ouvir,
E não outra coisa que venha a incomodar
Sua estabilidade emocional.
O pastor de gentes sabe muito bem disso,
Tanto é que mudou o discurso, ou o produto,
Agora ele vende prosperidade,
Antes ele vendia salvação meramente.
Enquanto lá dentro do salão comercial, 
Que chamam de templo, ele gritava
Com sua voz rouca padronizada que manifesta
Quase uma agonia e seu timbre feito,
Eu descia a Rua: da Consolação.
Se vende salvação e felicidade
E eu só quero comprar o que não encontro, 
Um remédio e uma mascará contra a epidemia.
Se vende salvação e felicidade
E eu só quero livrar-me da grande catástrofe natural.
Queria ter dinheiro para comprar 
Um terreninho lá em Marte, 
Que venha com esgoto e água encanada.
Quero uma salvação científica.
Enquanto tudo isso lá nos Estados Unidos
Mais um homem fatalista e fracassado, 
Entra atirando em mulheres na academia LA Fitness.
Enquanto tudo isso o Abílio Santana
Vem descendo a Rua: da Consolação 
Saindo da casa da índia, 
Onde gastou todo o seu salário semanal,
Numa ejaculação precoce.
A verdade é o que você quer ouvir,
Por isso digo que te amo.
A verdade é diferente para outras mulheres,
Por isso é tão fácil viver,
Basta ser leve e dizer
O que o outro está disposto a ouvir.
Se você assim quiser, posso te arrastar para dentro
E beijar te descompassadamente,
Se assim preferir posso de jogar para fora,
Te implorar que não vá embora,
Posso fazer escândalo, 
Posso dizer que te mato, 
Posso dizer que morro de ciúme.
Mas também não posso nada disso,
E viveremos sem mentiras na calmaria da vida,
Escorreremos pela madrugada 
Contemplado esse bucolismo urbano
Aqui da ponte Getúlio Vargas.

Hermínio Vasconcelos 
J.Nunez

Pizza Sarney com borda secreta 

Na nova didática 
O Chico bento manda ir tomar no...
Na mesma e sempre política,
Tudo acaba em pizza bordada de cumplicidade masculina.
Uma baixaria cotidiana lá do outro lado da rua, 
Interrompe minha Cronopoética, 
É a Dóris sendo jogada pra fora,
Seu amante a pegou traindo 
Com o amante traído de sua esposa. 
_“Todo mundo faz”: ela dizia aos gritos.
O Bill Clinton e a celebridade faz.
Ela esqueceu da regra; há uma enorme diferença 
Em ser ou não pego com a “boca na botija” 
Ou em outro lugar qualquer de sua preferência.
Ele dizia: _ Nunca mais pise aqui...
Aqui quem manda sou eu!...
É o que o Hugo Chaves está preste a dizer.
_ Ele manda lá do outro lado da fronteira,
Porque aqui quem manda é o Sarney.
Disse meu amigo crítico. 
Existe tanta coisa com nome de Sarney 
Aqui na sarneylandia, que a pizzaria ali da esquina
Já criou o que faltava:
Pizza Sarney com bordas secretas. 

Abílio Santana
j.Nunez 

CRONOPOEMA é uma escrita com características de crônica, conto e poesia e jornalismo.

De tão miseráveis, não somos nem se quer excluídos.

Acima ou abaixo da linha do equador,
Certamente abaixo da linha da miséria,
Não somos os esquecidos,
Somos os que nunca foram lembrados,
Aqueles em que o grito nem se quer é sufocado,
Porque não temos força para um grito.
Aqueles que nem se quer são explorado,
Porque não temos nada para ser tomado,
Somos esses da miséria inútil.
De tão miseráveis, não somos nem se quer excluídos.
Nosso gemido de dor é abafado,
Por nossa própria fraqueza.
Não incomodamos ninguém
Porque nem se quer existimos
O suficiente para incomodar.
Não temos o luxo de ser classificados
Em qualquer classe social,
Somos aqueles sem estatísticas,
Somos aqueles que nem se quer são desprezados;
Para que fossemos desprezados
Seria preciso antes que fossemos vistos.
Não somos aqueles que é ignorado,
Não nos olham com indiferença,
Simplesmente não somos nem se quer olhados.
Não somos o Jeca Tatu de Monteiro Lobato,
Porque esse é ao menos um classificado,
Somos esses incapazes de explicar a própria dor,
Somos esses que nem se quer foi abandonado a própria sorte, 
Porque não temos nem a sorte nem o azar.
Se existimos, se é que existimos,
Não incomodamos o suficiente para sermos vistos,
Não temos voz, não temos grito, não temos lágrimas,
Em nós tudo é tão seco como esse chão.
Não temos o horizonte dos homens que sonham,
Não temos o pesadelo dos homens que sonham,
Somos apenas corpos plantados,
E a nossa dor não tem gemido,
Então olhe nos meus olhos,
Então olhe no meu rosto desfigurado de sofrimentos.
O que se vê em meu corpo não são marcas do tempo,
Porque nem se que somos estagnados,
Estamos muito abaixo disso...
Não nos negaram nada, não nos ofereceram nada,
Porque ainda nem se quer fomos vistos.
Não nos perguntaram nada, porque não temos voz.
Não nos reprimiram de nada, porque nosso grito já é silenciado
Por nossa fome e nossa fraqueza. 
Meu Deus, meus Deus
Se tu és o pai de todo homem
Porque nos colocou aqui.
Senhor, não sei dos vossos mistérios...
Homens, não sei nada das vossas maldades.

Octávio Guerra 
J.Nunez 

Atos Secretos 

Nevoeiro encobre a cidade,
Ela voltou mais cedo 
E me pegou em “atos secretos”
Embaixo do edredom.
Tentei explicar: ela disse que não precisava,
Mas a vergonha ainda persiste
E continuo tentando explicar:
“Não fiz nem menos nem mais 
Do que você faz em pensamento 
Quando esta em público.”
Talvez eu seja só mais um sujo querendo
Justificar nivelando você comigo.
O nevoeiro foi ontem; hoje o Sol
Deixa entrar pela janela sua claridade raliada de verão,
Deixa essa vontade do seu beijo úmido e quente.
Tudo é noticia; estatística de sexo casual também é noticia,
Violência não é mais noticia é matéria prima para o cinema,
É produto de consumo para a tv,
Mas o que me importa mesmo
É trazer de volta seu beijo quente e úmido
E nosso sexo casual que rolava 
Antes de eu ser pego em “atos secretos”.
Ela voltou, entendeu que foi solidão e até me perdoou,
Mas para me dizer isso, 
Ela veio com um homem elegantíssimo e bem sucedido
Certamente ela espera que eu tenha um pouco de nobreza
E corte os pulsos quando saindo ela bater a porta.
Talvez ela pensa que sou uma gueixa suicida
Ou um político asiático, ela realmente não me conhece!...

Abílio Santana 
J. Nunez
Sou degenerado e frouxo na moral quando sou Abílio Santana. 

Postagem em destaque

Fique por perto!

Volte logo, Não demore muito, Fique por perto! Eu te esperarei dentro e fora do tempo. Sua alma é nobre, Fique no sangue do meu sangu...

O Novo Contexto Para a Literatura Contemporânea

MOVIMENTO IMPARCIALISTA