Pesquisar este blog

MOVIMENTO IMPARCIALISTA

MOVIMENTO IMPARCIALISTA
IMPARCIALISMO

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Poeta contemporâneo

Saturnino Queirós poeta do que é fundamental, poeta das horas extremas, da força e da persistência, poeta do essencial, do extremamente necessário e da luta. Sua linguagem sintetizada expressa a sua concentração no essencial, seu foco no que é primordial.
Ele é o reflexo da nova ordem mundial, de um tempo de escassez de recursos, de um tempo em que há uma luta individual e coletiva por um mundo melhor e uma necessidade de realização do extremamente básicos e essencial para nossas vidas. Esse poeta representa as virtudes essenciais do homem: coragem, fatalismo, força e honra.




Agora!

Não adia mais nada,
A vida é agora,
Agora é a hora do soco na mesa,
Agora é o momento do ponta pé na porta.


Agora é a hora de amar sem medida,
Hora de sofrer sem medos,
Agora é o momento do sacrifício
Hora de por tudo à prova...


Agora é a hora de ser honrado,
Hora de bater o martelo.
Agora é a hora de estender e dar a mão,
A hora da verdade,


A hora do grande salto,
Das cartas na mesa,
De tirar as cartas da manga,
O agora é a vida, ela passa e diz:_ Vem!


A morte chega e diz, vem comigo,
Não tomo partido nessa sociedade que adia o medo,
Não adiarei nada, nem mesmo a morte.


Saturnino Queiros


J.Nunez





sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Poesia esotérica Imparcialista

poema: O VIGIANTE


Entrei em mim
Encontrei o vigilante
Que olha o mundo
A todo instante, indiferente.

Entrei em mim
Encontrei o vigilante
Que sabe a todo o momento
O que penso, desejo e sinto...
Por ver-me a todo instante

Disse-me - A morte é urgente!...
O vigiador de mim,
Conhece o motivo de toda dor
Sabe o que pode o amor
E porque sou sofredor...

Porque de mim não sou senhor
O coração é guarita
Para o eterno vigilante
Do corpo, coração e mente.

O vigilante sabe do mal e o mata
O vigilante sabe do bem e o acrescenta.

 Jonas Corrêa Martins

J.Nunez

A poesia social Imparcialista

Poema: O Andarilho

Para aonde vai andarilho...
Que de quase nada tem medo
Que sem rumo segue o trilho
Sem lógica é teu mundo.

Para aonde vai andarilho...
Que sem rumo segue o trilho
Você que perdeu tudo
Agora anda calado
Com nada tem te preocupado...
Sei que perdeu até o medo.

Para aonde vai andarilho...
Que sem rumo segue o trilho
A que você é apegado...
O que da vida te dá sentido...
Talvez não se importe com destino,
Mas certamente te importa muito o inverno.

Para aonde vai andarilho
Que sem rumo segue o trilho
De que tipo é seu pensamento...
Do que está certo...

Para aonde vai andarilho
Que sem rumo segue o trilho
Você que não sabe para aonde vai.
Talvez nem de onde vem.
O que te importa...
Qual a lógica de sua vida...

Para aonde vai andarilho
Que sem rumo segue o trilho.
Porque não faz uma parada,
E acerta sua vida
E caminhe para morte
Igual a toda gente.

Octávio Guerra
J.Nunez


quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Liberdade sexual das mulheres e degeneração do homem contemporâneo.

Curvas perigosas

Ninguém me avisou de suas curvas perigosas,

De seu sorriso nebuloso,

De seu olhar que esconde labirintos,

Dos seus caminhos pelas noites,

De suas pernas que se abrem

Feito porta para todas as devassidões.

Ninguém me alertou do perigo

De seu abraço de serpente...,

Do perigo de seus precipícios gulosos de homem.

Eu caio na sua boca feito gotas d’água fria...

Numa garganta seca,

Você me engole e tem sede outra vez...

Eu te servi por uma noite apenas...

Ela ainda está ardendo de desejo e furiosa comigo...

Me deixa sobre a cama; e refresca seu corpo num ducha de água fria.

Eu vou embora antes que ela sem outra opção para essa noite

Queira me consumir outra vez.

Sou homem de uma noite apenas...

Abílio Santana

J.Nunez

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Cidade de Marília: Poesias Imparcialistas

Cidade de Marília: Poesias Imparcialistas: "Matizes do Amor Matizes Matizes têm a cor, Matizes têm a dor, Matizes têm o amor Nas folhas um tom de verde Nos olhos o tom da verdade ..."

Artigos Imparcialistas: Modernismo, Pós-Modernismo e Imparcialismo

Artigos Imparcialistas: Modernismo, Pós-Modernismo e Imparcialismo: "Muitos críticos chamam a literatura pós-guerra de literatura pós-modernista outros dizem que é o desenrolar do próprio modernismo, acredito ..."

Modernismo, Pós-Modernismo e Imparcialismo

Muitos críticos chamam a literatura pós-guerra de literatura pós-modernista outros dizem que é o desenrolar do próprio modernismo, acredito na segunda hipótese, o modernismo certamente não teve um fim, e não terá um fim enquanto ele for sinônimo de avanços tecnológicos e científicos.

O pós-modernismo é as consequência do modernismo e o imparcialismo é a leitura dessas consequências catastróficas na sociedade e no individuo, o marco inicial do novo contexto é a preocupação ambiental. 

Essa arte pós-moderna possui o seu valor e as suas peculiaridades, essa arte é fruto do escrachamento, da avacalhação total do conceito de liberdade no modernismo e da deformação da sociedade e do individuo modernista.

O Movimento Imparcialismo exite não porque o Modernismo teve um fim, no primeiro momento  não havia oposição, o imparcialismo existe porque ele nasceu  da observação consciente do novo contexto e da necessidade de inovação na poesia.

O Imparcialismo e o contexto atual tem seu marco histórico na chegada de Obama no poder nos Estados Unidos, com a chegada da primeira mulher no poder no Brasil  e no filme  "Uma Verdade Inconveniente" que  coloca em discussão   a exploração do planeta, o consumismo e o aquecimento global, marca o  início de uma busca pelo  equilíbrio.( Se fosse o caso de marcar o fim do modernismo e ao pós-modernismo que parece mais a extensão de uma mesma coisa, seria esse o marco  histórico. )

 O imparcialismo está inserido no tempo de sociedade do prazer, possibilismos, sociedade do entretenimento, sociedade niilista etc



O contexto contemporâneo e o modernismo

O movimento modernista nas artes
Deixou de ser consciente de seu contexto;
Esse tornou causa e conseqüência desse contexto,
A pós-modernidade são as conseqüências da modernidade.

O inicio do novo contexto da poesia Imparcialista
Se dá com  Barack Obama no poder,
Com a primeira presidente mulher no Brasil,
Com as preocupações ambientais
Do filme Uma Verdade Inconveniente,
 E com a busca pelo equilíbrio
 Que é o tema mais importante desse tempo.

Depois da metade da década passada 
Entramos no contexto do equilibro,
É tempo de preocupações com o planeta,
Tempo que exige nova estrutura, nova ordem e forma,
O modernismo não possui estrutura
Pertence a um contexto de destruição, de rompimento e exploração,
E se autodestruiu nas liberdades e nas deformações
A nova tendência  para a arte deve ser com base na ordem,
Na estrutura, na regra, no equilíbrio, na valorização, na hierarquia e na forma.

Octávio Guerra
J.Nunez

espero ter ajudado. 

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

A sensibilidade do amor romantico na literatura imparcialistas

O Movimento Literário Imparcialismo conserva o amor inocente, singelo, romantico e sensivel
porque apesar de viver esse tempo de sexo fácil ainda coservamos em nossa essencia esse doçura do amor inocente.

Suspiros de amor e saudade.


Tudo se resume em um olhar

Que sem medo deixamos acontecer,

Em um sorriso acanhado que deixamos escapar,

Na sutiliza de um toque que não percebemos

Porque estávamos absorvidos de nós.



O amor chegou inocente como a suavidade

Das brisas das manhãs em seus cabelos,

Estendi as mãos, abri os braços

Para receber o frescor dessa brisa que nos envolveu

E nos deixou suspirando de saudade e amor.



Eu esperei pelos seus beijos e abraços

Como se eu não tivesse vida

Sem o seu sorriso e o seu olhar...

Como se a vida resumisse em esperar por seus carinhos.

Tudo que faço é para ter você aqui comigo,

O amor me faz sonhar com seus beijos,

O amor me fez buscar você para meus braços.

Franscisco Medeiros

J.Nunez

O construtivismo na poesia Imparcialista


O conceito de que nada está pronto e que o conhecimento é construído pelo individuo

em suas experiências de ensino e aprendizagem é uma apreciação adequada a poesia

Imparcialista, isso porque essa literatura é formada pelo que virá, pela leitura do contexto no

qual estamos inseridos, essa poesia está sujeita as observações e as impressões que o poeta

imparcialista terá da realidade que o circunda, essa poesia segue o dinamismo das mídias e

está adaptado perfeitamente a internet e com ela interage.

A idéia de construtivismo na poesia nasce do fato de os poetas imparcialistas não serem

inteiramente formados, são humanos demais para estarem consumados.

Na temática imparcialista o homem foi construído com tudo que passou sobre ele e foi

assimilado e com tudo que virá sobre ele e será ou não assimilado.

Até mesmo nas temáticas amorosas o homem é construído pelos amores que se foram, pelos

amores que estão vivendo e pelos amores que possivelmente virão a viver:

                                                          Eu só não vou te esquecer
                                                          Porque você e outros amores que  viram constituem o que sou. http://literaturaimparcialista.blogspot.com/2011/02/literatura-contemporanea-lmparcialista.html



domingo, 6 de fevereiro de 2011

Citações para Trabalhos Acadêmicos: SOCIOLOGIA: HOMEM, EDUCAÇÃO E SOCIEDADE

Citações para Trabalhos Acadêmicos: SOCIOLOGIA: HOMEM, EDUCAÇÃO E SOCIEDADE: "(...) será sobretudo dentro da sociologia que vos falarei de educação. Aliás, assim procedendo, não haverá perigo em mostrar a realidade edu..."

Literatura contemporânea lmparcialista

A poesia imparcialista faz da inversão de valores de nosso tempo uma linha de pensamento que traz leveza para a vida e o pensamento e deixa essa sutil sensação de irresponsabilidade.




As canções de amor ainda falam em esquecer...

Não quero te esquecer,

Não entendo porque todo mundo

Ainda vive com essa idéia.

As canções de amor ainda falam em esquecer;

Se o esquecer é uma doença de esquecimento.

Eu posso até não querer te lembrar,

Mas esquecer é impossível.

Eu não vou te esquecer...

E não há nada de amor, ou talvez haja alguma coisa de amor.

Eu só não vou te esquecer

Porque você e outros amores que viram constituem o que sou.

Você também não vai me esquecer...,

Pode até deixar de me amar,

Pode até me odiar,

Pode até não querer me lembrar,

Mas me esquecer, é impossível...

Não que eu seja maravilhoso e inesquecível,

Mas porque o esquecimento é uma doença do esquecimento.

Se me disser que você me esqueceu

Vou dizer que na verdade você não que me lembrar.

Amores contemporâneos são assim: não dói e nem machuca.

Hermínio Vasconcelos

J.Nunez



As três classes de operários

Primeira classe:

Os nossos operários que estão aposentados

Ou que estão prestes a aposentar

Que são os operários que vierem do trabalho rural,

Esse eram os trabalhadores adequados para as indústrias.

A segunda classe:

Os operários entre os trinta e quarenta e cinco anos

Que são os operários que possui maior letramento

Ou que se especializaram em outras áreas

E não se encaixam mais no trabalho braçal nas indústrias.

A terceira classe de operários:

Os operários filhos e netos dos operários da primeira e segunda classe,

Esses novos operários não servem para o trabalho braçal nas indústrias,

Primeiro porque é uma geração que não está habitada ao trabalho,

Começaram a trabalhar com dezoito anos,

Segundo porque esses operários possuem um maior poder econômico

E muito mais escolaridade que os permite

Novas possibilidades de trabalho e outras perspectivas de vida

Muito diferente dos operários da terceira classe que sonhavam aposentar em uma indústria.

Aqui faço um resumo de um assunto que pode ser estudo muito mais...

J.Nunez

Postagem em destaque

O Imparcialismo: O Ciclo de Saturno

O Imparcialismo que começou a ser escrito em 2006 E  revelado em 2008. Foi à leitura do fim de um período, Iniciado pós-guerras, tempos...

O Novo Contexto Para a Literatura Contemporânea

MOVIMENTO IMPARCIALISTA